Por que não me sinto confortável com o meu corpo?

Por que não me sinto confortável com o meu corpo?

Por que não me sinto confortável com o meu corpo?

A insatisfação com o próprio corpo, na maioria dos casos, começa com a pressão social, combinada com certas crenças disfuncionais que temos. Como podemos mudar essa realidade?

Praticamente todo ser humano, em algum momento da sua vida, se olhou no espelho e pensou: “não gosto do que vejo”, ou experimentou uma roupa em uma loja e afirmou “não me sinto confortável com o meu corpo”. Por isso, é muito comum querermos colocar, remover, modificar ou consertar diferentes partes da nossa aparência física.

No entanto, esse desgosto com a própria imagem corporal vai muito além do aspecto meramente físico; muitas pessoas acham que seu valor e sucesso são determinados pela sua aparência. Dessa forma, ao não alcançarem os padrões de beleza, começam a se considerar fracassadas, incapazes e sem valor.

Por que não me sinto confortável com o meu corpo?

Se levarmos em consideração tudo que dissemos anteriormente, é interessante imaginar de onde vem essa tendência de nos desprezarmos e nos sentirmos desconfortáveis ​​em nossa pele, e o que podemos fazer a respeito.

Mulher triste com o que vê no espelho

Causas externas

É inegável que a cultura e a sociedade exercem uma influência muito forte no fato de muitas pessoas vivenciarem uma grande insatisfação com o seu corpo. O padrão de beleza foi mudando ao longo dos anos, ditando regras com margens muito pouco permissivas do que era apropriado e desejável em cada época e lugar.

Hoje em dia, temos um ideal irreal e inatingível que valoriza medidas que não são realmente naturais, tanto para homens quanto para mulheres.

Acima de tudo, são características únicas e impostas que não permitem a diversidade lógica dos corpos existentes. Elogiar essas referências como as únicas aceitáveis ​​gera um forte dano psicológico naqueles de nós que não se enquadram nesse molde. Basta ir a qualquer loja de roupas para testemunhar a variedade limitada de tamanhos existentes.

Assim, crescemos aprendendo a rejeitar nossos corpos, considerá-los inadequados e machucá-los, ou nos castigar mentalmente por não atingirmos os padrões. Por outro lado, a pressão social também pode ser devastadora, já que desde os primeiros anos escolares há uma rejeição ao diferente.

Causas internas

Todas as opções acima nos são impostas. No entanto, existem outros aspectos diretamente relacionados à personalidade e à nossa atitude que nos levam a não nos sentir à vontade com o nosso corpo:

  • Comparações injustas. É evidente que o padrão existe, mas devemos ter a compreensão de que ele é uma referência irreal e inatingível e de que não temos que nos adaptar a ele. Comparar-nos constantemente com celebridades ou com pessoas reais que se enquadram nesse ideal nos leva inevitavelmente a sentir emoções negativas relacionadas à nossa própria imagem, sem compreender que a beleza está na diversidade.
  • Pensamento rígido e dicotômico. Essas crenças assumem que existem apenas dois extremos e que, se tivermos algum traço “negativo”, seremos automaticamente pouco atraentes e indesejáveis. Concentrar a atenção naquele aspecto do nosso físico que não gostamos, ampliá-lo e generalizá-lo, nos fará sentir muito infelizes com quem somos.
  • Suposições erradas. Isso se refere ao fato de que, como não me sinto confortável com o meu corpo, deduzo diretamente que os outros me percebem de forma igualmente negativa. Mas não é só isso: presumo que, por não me adequar ao padrão de beleza, não tenho valor nem sucesso como pessoa, não tenho o direito de usar certas peças de roupa ou de realizar certas atividades, e nunca terei sucesso profissional, social ou amoroso.

Mulher feliz se olhando no espelho

O que posso fazer se não estou confortável com o meu corpo?

Existem dois aspectos principais nos quais você deve se concentrar. Em primeiro lugar, trabalhe todas as crenças e atitudes que está em seu poder modificar e que te levam a se sentir infeliz com a sua imagem. Torne seu pensamento mais flexível, comece a perceber suas qualidades e traços positivos e aprenda a separar seu valor pessoal da sua imagem.

Em segundo lugar, trabalhe em amar e aceitar o seu corpo como ele é. Agradeça por ser seu veículo neste plano terreno, permitindo que você respire, ria, corra e abrace seus entes queridos. Reconcilie-se com a sua imagem no espelho e trate-se com amor e respeito, independentemente da sua aparência.

Somente a partir dessa aceitação incondicional você poderá fazer as mudanças necessárias para cuidar do seu corpo e da sua imagem a partir de uma posição saudável. Pratique exercícios e se alimente de forma saudável; cuide do seu corpo, mas faça isso porque você o ama, e não porque você o odeia.

FONTE: https://amenteemaravilhosa.com.br/nao-me-sinto-confortavel-com-o-meu-corpo/